O VENENO DO SAL – ESTÁ NA HORA DE ARRUMAR O SALEIRO

ARTIGOEm todo o mundo estamos a consumir o dobro do sal e esta situação é motivo de grande preocupação da Organização Mundial de Saúde, que pretende combater o constante “fardo de doenças crónicas”, causa de morte de mais de 2.300.000 por ano.

Na Europa o consumo varia entre 8 e 11g e até 20g por dia. Em Portugal estima-se que a média seja de 12g. Na América do Norte e na Ásia a situação é a mesma. O excesso de consumo tem impactos significativos na saúde, particularmente no sistema cardiovascular, porque muito sal aumenta o risco de hipertensão arterial, acidente vascular cerebral, doenças renais e muitas outras.

O sal é necessário e essencial para o corpo, pois desempenha um papel crucial na fisiologia celular e contribui para o equilíbrio global de água e permite mesmo a formação de sinais nervosos nos neurónios. Todavia, o problema está no excesso e, as doses elevadas aumentam exponencialmente nos produtos industrialmente processados para maior conservação, maior retenção de água e, indirectamente aumentar o peso dos alimentos. Um claro benefício para a indústria alimentar e um claro risco para a saúde pública. Onde se encontra escondido o sal? Em alguns alimentos como por exemplo, pão, fiambre, salsichas, presunto, bacon, certos queijos, fast food, batatas fritas, snacks, conservas, maioneses, ketchup, alguns cereais de pequeno-almoço e bolachas, etc. etc.

É recomendável ler com atenção os rótulos dos produtos no momento de aquisição. A lista de doenças e mortes não param de aumentar, mormente a hipertrofia ventricular e dos rins com pedras, derrame cerebral (AVC), aumento da obesidade, diabetes, asma e cancro no estômago.

Tanto a OMS como a FAO, afirmam que todos os países devem agir na tomada de decisões para a prevenção das doenças crónicas e da morte. “A população deve adoptar uma dieta mais saudável, com menos sal, menos gordura saturada, muitos legumes e mais fruta, aliada a uma actividade física regular.”
De acordo com a última orientação da OMS 1/02/2013, o consumo de sal nos adultos não deverá exceder 5g dia, o equivalente a uma colher de chá. Nas crianças entre os 18 meses e 3 anos, menos de 2g.
 

Juvenal Silva (Naturopata)

Cédula Profissional 0300193 – ACSS

emSaúde Natural

Construído por: InforEco Torres Novas